Relógios: Conheça a origem e evolução destes acessórios!

relógios

Os relógios surgiram da necessidade de os humanos se situarem no tempo. Ao longo dos séculos, o desenvolvimento tecnológico proporcionou a reinvenção destes acessórios, tornando-os cada vez mais modernos e funcionais.

O relógio começou por ser um objeto fixo, saltando depois para os bolsos e, mais tarde, para os pulsos de homens e mulheres. Cada vez mais moderno e funcional, serve, hoje em dia, para muito mais do que ver as horas.

Nesta viagem no tempo, aprenda mais sobre a curiosa origem deste acessório intemporal.

 

Os primeiros relógios da História

Antes do aparecimento dos relógios convencionais, a Humanidade utilizava dispositivos rudimentares de medição do tempo com recurso a meios naturais. A partir deles, surgiram os relógios de bolso e de pulso. Entre no universo da relojoaria e conheça a evolução dos relógios desde a Pré-História.

 

  •  Relógio de sol:

relógios de sol

Para medir a passagem do tempo, as civilizações antigas começaram a marcar as horas tendo por base a sombra dos objetos. Constataram que o movimento de rotação da Terra fazia com que a sombra se deslocasse e passaram a anotar essas movimentações, desenhando linhas retas em pedras.

A partir de cálculos rudimentares, descobriam quantas horas haviam sido transcorridas. Assim, criaram o relógio de sol.

Este método remonta ao período paleolítico ou neolítico, sendo que algumas pesquisas apontam 1500 A.C. como o ano da sua origem. O relógio de sol mais antigo do mundo foi projetado no Egito, na época dos Tutmósis.

 

  •  Relógio de água:

relógios de areia

O relógio de água, também conhecido como clepsidra, foi outro sistema rudimentar criado para medir as horas. O mais antigo transporta-nos para o reinado de Amenhotep III, de Karnak, no Egito. Já na Grécia Antiga, foi encontrada uma clepsidra em 500 A.C.

O relógio de água baseava-se na colocação de dois recipientes em posições diferentes. Um deles, cheio de água, era colocado sobre outro, fundo e vazio. Depois disso, era feito um furo no recipiente superior, que gradualmente transferia a água para o recipiente inferior. Enquanto o processo acontecia, media-se o tempo decorrido.

Este método de contagem das horas era mais preciso do que a medição feita pelo relógio de sol, mas ainda não era totalmente exato. Com a evolução da tecnologia, surgiram novos mecanismos para medir a passagem do tempo.

 

  •  Relógio de areia:

relógios de areia

O relógio de areia, também denominado ampulheta, baseava-se no mesmo princípio do relógio de água. A areia corria de um recipiente para o outro por meio de um orifício. Tratava-se de uma ação constante, cujo intervalo de tempo era tido como valor de referência para medir as horas.

Os relógios de areia começaram a ser utilizados em navios e igrejas para marcar as meias horas. A invenção da ampulheta é atribuída a Luitprand, um monge de Chartres, que viveu no século VIII.

Esses tipos de relógios logo se difundiram principalmente em navios, onde eram utilizadas para marcar metades de horas e, depois, em igrejas. O aparecimento da ampulheta foi entre os séculos XV e XVI, quando passaram a demonstrar perícia e habilidade.

 

Os relógios dos tempos modernos: Do bolso ao pulso

 

A partir do século XIII, a invenção do relógio mecânico revolucionou a forma de medir as horas. Processos contínuos, repetições de processos oscilatórios, balanços de pêndulo e vibrações de cristais de quartzo tornaram a medição mais exata.

O relógio de bolso começou a circular por volta do ano 1500. O primeiro exemplar foi criado por Pedro Henlein, na cidade de Nuremberg e, dada a sua forma, foi apelidado de “Ovo de Nuremberg”.

relógios de bolso

Inicialmente, era feito em ferro, com uma corda para cerca de 40 horas e uma mola espiral. Tinha um mecanismo para badalar e, durante muito tempo, representou uma revolução no campo das invenções na Europa.

Quando surgiram, os relógios de pulso eram utilizados apenas pelas classes alta e científica. Mas depressa se difundiram pelo resto da população. A comercialização esteve a cargo da empresa Patek Philippe, embora muitos acreditem que o seu inventor tenha sido Santos Dumont. O aeronauta brasileiro terá pedido ao seu assistente Cartier para prender o relógio de bolso ao pulso, por ser mais prático durante os voos.

Este objeto tornou-se popular durante a I Guerra Mundial, uma vez que os soldados precisavam de ter acesso às horas de forma rápida nos campos de batalha. Desde então, os mecanismos foram aperfeiçoados e as horas marcadas passaram a ser mais precisas.

 

A revolução dos relógios de pulso

Atualmente, existem diferentes tipos de relógios de pulso: relógios de quartzo, digitais e até atómicos. O desenvolvimento de vários estudos tornou a ciência da hora cada vez mais exata.

 

  •  Relógio de Quartzo

relógios de quartzo

Ao contrário dos anteriores, os atuais relógios de quartzo não são mecânicos. Em 1967, os cientistas descobriram como utilizar a radiação eletromagnética do césio e aplicá-la aos relógios. As cordas deram lugar a circuitos eletrónicos e vibrações eletromagnéticas.

Os relógios passaram a ser mais acessíveis economicamente. Hoje em dia, apesar de existirem modelos caros, cada vez mais pessoas têm acesso a esta tecnologia, além de existir uma enorme variedade de escolha.

 

  •  Relógio digital

relógios digitais

O relógio digital não é mecânico e funciona através de meios eletrónicos. A utilização de energia elétrica faz com que a bateria seja alimentada por uma pequena carga. Por sua vez, o cristal piezelétrico gera pulsos numa frequência constante, entre 50 e 60 Hz. A imagem das horas é apresentada num visor LED ou cristal líquido.

Esta tecnologia ajudou a difundir o uso do relógio em meados do século XX e início do século XXI, uma vez que a tecnologia era mais barata e precisa. Por essa razão, os relógios digitais passaram a ser cada vez mais utilizados no dia a dia.

 

relógios atómicos

  •  Relógio atómico

O relógio atómico foi a grande descoberta do século XXI, pois a marcação das horas tem uma precisão 100 mil vezes superior a todos os outros modelos. Trata-se do relógio mais preciso do mundo, com uma margem de erro de 1 segundo a cada 65 mil anos.

Os elementos utilizados no funcionamento do relógio atómico são geralmente o hidrogénio, o rubídio e o césio. Dada a grande precisão, passou a ser utilizado para medir o tempo de experiências astronómicas e de ondas gravitacionais.

 

Cada época do desenvolvimento da sociedade é marcada pela criação de um relógio mais sofisticado. Desde o relógio de sol até ao atómico, constata-se a necessidade de o ser humano continuar à procura de uma maior precisão. O tempo está a contar… tic-tac, tic-tac!

 

 


Subscreva o nosso Blog

 

7 Comment

  1. Bruno says: Responder

    Muito obrigado por esse texto bem explicativo e resumido !

    Apenas uns possíveis erros:

    “O relógio atómico foi a grande descoberta do século XXI, pois a marcação das horas tem uma precisão 100 mil vezes superior a todos os outros modelos. Trata-se do relógio mais preciso do mundo, com uma margem de erro de 1 segundo a cada 65 mil anos.”

    Os vários tipos de relógios têm diferentes níveis tecnológicos, então o relógio atómico não pode ser 100 mil vezes superior a todos os outros.

    Eu não acredito nessa estimativa, 1 segundo de atraso a cada 65 mil anos – as pessoas não sabem nem o que vai acontecer amanhã !

    1. Izil Rocha says: Responder

      Olá Bruno, muito obrigada pelo seu comentário. De fato parece mesmo ficção! Na verdade a ordem de grandeza que já se fala hoje sobre o relógio atómico é de uma atraso de 1 segundo em 15 milhões de anos. Mas realmente é algo difícil de imaginar! O objetivo deste artigo é contar um pouco da história do relógio, apenas como interessados na matéria e tentando fazer um apanhado na informação que temos através de pesquisa. Já vimos que em breve teremos que fazer um artigo atualizado, dado a velocidade que as as coisas estão a acontecer nesta área 🙂 Obrigada pelo contributo!

  2. Audry Figueiredo says: Responder

    Excelente matéria sobre a história do relógio…
    Serviu como fonte de matéria para o trabalho de minha filha e foi muito elogiado pelo conteúdo bem claro, explicativo e com ótimas imagens.

    Agradeço de coração e abraços!!

    1. Izil Rocha says: Responder

      Olá Audry, obrigada pelo feedback! Que bom que foi útil 🙂 muito bom saber!

  3. cliomen says: Responder

    Gostei muito do conteúdo da página e deu muito jeito para o meu trabalho.

  4. Muito obrigada! Hoje irei fazer um trabalho de história sobre os relógios antigos! Ajudou bastante!

  5. António Baptista says: Responder

    Pois eu só gostaria de saber qual foi a primeira marca de relogio a utilizar o método de Quartz. Se alguém souber agradeço.

Deixe uma resposta